A história da ascensão do Profeta Mohammad ao Céu 1

23:00 - 2022/04/19

A escuridão da noite já havia coberto os horizontes e reinava por toda parte, indicando o momento em que a natureza e os seres vivos se retiraram para descansar; renovando suas forças para seguir o ciclo incessante da vida na manhã seguinte.

A história da ascensão do Profeta Mohammad ao Céu 1

O Profeta Mohammad (S.A.A.S) não está isento dessa lei natural e queria dormir naquela noite após suas orações. De repente, uma voz familiar chegou aos seus ouvidos, a voz de Gabriel, o anjo do Apocalipse, fiel transmissor da Mensagem divina.

 Ele disse: “Esta noite você fará uma viagem extraordinária e eu estou encarregado de acompanhá-lo. Você viajará pelos céus em uma montaria extraordinária chamada Buraq. "

O Profeta Mohammad começou sua jornada extraordinária na casa de Umm Hani, irmã do Imam Ali. Ele chegou pela primeira vez a Baitul Muqaddas (a Santa Casa, como Jerusalém é conhecida na Palestina), que também é conhecida no Alcorão como Massjidul Aqsa (a mesquita distante).

Ele desceu de sua montaria, visitou a mesquita e visitou o local de nascimento de Jesus (Baitul Lahm). Ele também visitou as casas onde alguns profetas viveram, e de seguida orou dois ciclos (raka'h).

 Iniciou a segunda parte de sua jornada ...
Ele subiu ao céu, observou as estrelas e o universo elevado, conversou com as almas dos Profetas e com os anjos, conheceu os locais de recompensa e punição (Paraíso e Inferno).

Ele foi capaz de observar os diferentes níveis celestiais e infernais. Ai ele se deu conta da grandeza da criação e conheceu seus segredos, observando o Poder Infinito de Deus.Ele continuou sua subida até alcançar Sidra tul Muntaha (o lótus na borda), onde ele encontrou cheio de luz e a majestade devina.

 Aí a viagem terminou, Ele regressou da mesma forma que foi: tendo descido na mesquita de Jerusalém, e de lá foi transportado para Meca.

 No caminho de volta, encontrou uma das caravanas de comércio coraixitas. Quando os caravanistas saíram em busca de um camelo que haviam perdido, Muhammad pegou um recipiente com água, bebeu um pouco e jogou o resto no chão (outra versão indica que ele pegou um pouco e cobriu o recipiente).

 Finalmente, ele desceu de madrugada na casa de Umm Haní. Ela foi a primeira pessoa a saber de sua viagem. Naquele mesmo dia, o Profeta (S.A.A.S) relatou o que havia acontecido com ele em uma reunião organizada pelos Coraixitas.

A história do Mi'raj (ascensão ao céu), que de acordo com os Coraixitas era impossível de ter acontecido, foi divulgada boca a boca. A irritação dos líderes Coraixitas cresceu, que não hesitaram em negar , fiéis à sua inimizade.

 “As pessoas que conhecem Baitul Muqaddas vivem em Meca e, se você for sincero no que diz, deves descrever sua aparência para nós”, disseram ao Profeta (S.A.A.S).

Ele fez isso com detalhes e também contou o que teria acontecido durante seu regresso: “No caminho de volta, avistei uma caravana coraixita que havia perdido um camelo. Havia um recipiente com água ali; peguei um pouco e cobri. Mais tarde, encontrei outro grupo que também havia perdido um camelo que estava com uma das patas quebradas. “

Este breve resumo do Mi'raj é certamente muito pouco em comparação com o que pode ser encontrado nas páginas do Alcorão e nas tradições proféticas, e a razão de não termos ido mais longe é porque o episódio é detalhado em outras obras, como a monumental exposição de tradições proféticas denominada “Biharul Anuár” (Mares de luzes).

A ascensão do Profeta é mencionada no Alcorão?
O episódio da jornada noturna e a ascensão ao céu do Profeta (S.A.A.S) é explicitamente referido em duas suras do Sagrado Alcorão. Existem outras passagens que se referem a esse fato, mas não o fazem explicitamente. A seguir apresentaremos as passagens que fazem uma alusão clara e direta a este assunto:

“Glorificado seja Aquele que, durante a noite,transportou o Seu servo, tirando-o da Sagrada Mesquita (em Makka) e levando-o à Mesquita de Alacsa(em Jerusalém), cujo recinto bendizemos, para mostrar-lhe alguns dos Nossos sinais. Sabei que Ele é Oniouvinte, o Onividente”.[1]

Desta passagem podemos tirar as seguintes conclusões:

1) Que o Profeta não fez esta jornada pelo poder humano, mas foi o Poder divino que tornou isso possível em um tempo tão curto quanto o curso de uma noite.

Deus começa este versículo dizendo: “Glorificado seja Deus, Quem ...”, o que significa que Ele está isento de qualquer defeito e fraqueza, e que foi Ele mesmo quem o carregou. Ele o expressa assim para que as pessoas não imaginem que a viagem poderia ter sido produzida por leis ou processos naturais, mas que sim, obras da Vontade divina.

2) Esta viagem ocorreu durante a noite. Isso percebemos devido a palavra “lail” (noite) quanto do verbo “asra” que significa transportar e é usado exclusivamente para viagens noturnas ou transportes noturnos.

3) O Enviado de Deus, viajou em corpo e alma, A prova disto está na frase que diz: “Deus transportou Seu servo ...”. Se o Profeta tivesse viajado apenas em espírito, ele não deveria dizer “abdihi” (Seu servo), mas “ruhihi” (seu espírito).
 

4) O objetivo de Deus nesta jornada extraordinária era mostrar ao Profeta as maravilhas do universo e os diferentes estados de existência e seres.
Outra passagem do Alcorão que se refere a este evento é encontrada na sura AI-Najm (A Estrela). Quando Muhammad (S.A.A.S) informou aos Coraixitas que tinha visto o anjo mensageiro em sua aparência real, todos começaram a discutir com ele e a negár sua afirmação. O Sagrado Alcorão então responde assim a esta negação:
“Disputareis, acaso, sobre o que ele viu? Realmente o viu, numa Segunda descida, Junto ao limite da árvore de lótus. Junto à qual está o jardim da morada (eterna). Quando aquela coisa envolvente cobriu a árvore de lótus, Não desviou o olhar, nem transgrediu. Em verdade, presenciou os maiores sinais do seu Senhor”.[2]

 

[1] Alcorão sagrado. C.17, V.1.

[2] Alcorão sagrado. C.53, V.12-18.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.