Ataques de 11 de setembro de 2001: Duas décadas de impunidade III

13:01 - 2021/09/15

-Os ataques de 11 de setembro foram uma série de ataques terroristas, com quatro aviões americanos sequestrados, dois bateram com as Torres Gêmeas do World Trade Center em Nova York e um bateu com o prédio do Pentágono em Washington DC, e o quarto foi abatido sobre a Pensilvânia. Neste grande ataque terrorista, as torres do World Trade Center desabaram e parte do edifício do Pentágono foi danificado, matando um total de cerca de 3,200 pessoas. Após o incidente, os Estados Unidos culparam a Organização Terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama Bin Laden.

Ataques de 11 de setembro de 2001: Duas décadas de impunidade III

Um país como a Arábia Saudita que professa, através da rigorosa doutrina do wahhabismo, uma forma absolutamente distorcida do islã, mas que não impede a casa de Al Saud, de aparecer no "eixo dos moderados" dos Estados Unidos e de lá é uma aliança factual - não apenas entre um governo de uma democracia representativa como os Estados Unidos, com uma monarquia como a saudita - mas também entre fundamentalistas neocons-Protestantes e Wahhabis, apesar do ódio teológico que os fundamentalistas protestantes professam aos muçulmanos e o que os fundamentalistas Wahhabi professam aos cristãos

 

Uma estratégia que desencadeou consequências graves para a humanidade.
Continuação do artigo anterior:
A política de silêncio dos Estados Unidos, a respeito da participação da Arábia Saudita nos atentados de 11 de setembro de 2001, pretendia a não afetar os ativos sauditas em bancos norte-americanos, que ultrapassam 800 bilhões de dólares e que a Monarquia Wahhabi Ameaçou retirar-se caso continuasse a investigação que os envolve, a respeito dos ataques. Os interesses geopolíticos que Washington e seus aliados ocidentais administram na Ásia Ocidental têm mais valor, junto com a Casa al Saud, que se tornou o Gendarme desses interesses e, ao mesmo tempo, um agressor ativo de povos como Iêmen, Bahrein, Síria e Iraque. As reservas de petróleo e os contratos suculentos que as empresas americanas e inglesas têm com a Aramco Service Company. Tudo isso, para Washington, tem maior valor do que a morte de seus cidadãos.
Vinte anos após os atentados de setembro de 2001, chegou a hora de tirar o pó das investigações e apontar claramente a responsabilidade da Arábia Saudita e do governo de George W. Bush em um ataque que causou milhares de mortes em solo norte-americano.
Lembre-se de que há um processo em um tribunal federal na cidade de Nova York, onde funcionários diplomáticos sauditas são acusados de terem fornecido apoio material e proteção a uma parte importante dos terroristas antes dos ataques de 11 de setembro de 2001. Os dardos também visam as várias administrações dos Estados Unidos para obstruir investigações e pedidos de ações judiciais e entrega de documentação que permite o acesso a fotografias, vídeos e todos os tipos de registros.
Uma investigação do Congresso dos Estados Unidos e 28 páginas que estiveram em absoluto sigilo de 2002 a 2016, onde vieram à tona, após uma série de fatos “a respeito dos autores do atentado de 2001, durante sua estada nos Estados Unidos. Contato, recebeu apoio ou assistência de pessoas relacionadas ao governo de Riade”. Nessa investigação também foi mencionado que o único preso pela causa de 11 de setembro de 2001, Zacarías Moussauoi, um francês de origem marroquina - estranhamente detido um mês antes dos ataques e posteriormente vinculado - indicou a seu advogado de defesa que dois sauditas os príncipes foram os financiadores dos ataques. Entre eles, o príncipe Turki al Faisal al Saud, ex-chefe da inteligência saudita.
O senador Bob Graham, membro da Comissão de Investigação do Senado sobre os atentados de 2001, afirmou que “o documento que desclassifica 30 nomes de sauditas envolvidos nos atentados - denominado arquivo 17 - oferece pistas que renovam os apelos de aprovação de uma lei que permite processar aos familiares das vítimas contra o Governo da Arábia Saudita por terem ligações com estes ataques”. Continua…

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.
تمامی حقوق متعلق به اداره تبلیغ اینترنتی معاونت تبلیغ حوزه های علمیه می باشد