Nahjul Balagha Sermão nº 91 (2)

13:31 - 2021/09/18

-A clássica seleção de sermões, cartas e ditos do Imam Ali ibn abi Taleb (que a paz esteja com ele), o Príncipe dos Fiéis, compilada pelo grande sábio Sharif al-Radhi. Esta obra é a segunda mais importante na literatura ética-moral islâmica, ficando atrás apenas do Alcorão Sagrado, e é um retrato fiel do caráter, eloquência e grandiosidade do Imam Ali (que a paz esteja com ele).

Nahjul Balagha Sermão nº 91 (2)

 

Da Prudência Divina

Ele fixou limites para todas as coisas que criou e fez firmes esses limites; e lhes fixou as funções e fez delicadas essas funções. Ele lhes fixou a direção e não ultrapassa os limites da sua posição, nem se restringe em lhe alcançar a finalidade da meta. A direção não desobedece quando lhe é ordenado que se movimente segundo sua vontade; e como poderia ela assim fazer sendo que todos os assuntos são governados pela Sua Vontade? Ele é o produtor das variedades de coisas sem o exercício da imaginação, sem o estímulo de um impulso, este está intrínseco Nele, sem qualquer experimento causado pela vicissitude da hora e sem qualquer parceiro que o tivesse ajudado na criação das coisas maravilhosas. Assim, a criação foi concluída e se curvou a sua obediência e respondeu ao seu chamado. A lentidão de uma lesma ou a inércia do que se cobre de desculpas não a impediu de assim fazer. Então, Ele endireitou as tortuosidades das coisas e lhes fixou limites. Com o seu poder criou coerência em suas partes contraditórias e juntou os fatores de similaridade. Depois as separou em variedades, as quais diferem em limites, quantidades, propriedades e formas. Tudo isto é nova criação, ele a fez firme e deu-lhe forma de acordo como desejou e planejou.

A Descrição do Céu

Ele arranjou as depressões e elevações das aberturas do céu. Ele juntou as amplitudes das brechas e as juntou umas, as outras. Ele lhe tornou fácil o acesso para aqueles anjos que desciam com os seus mandamentos e para aqueles que subiam com as orações das criaturas. Ele o intimou a se formar quando estava ainda na forma de vapor. De pronto, as ligações das suas juntas se ataram. Então, Deus lhe abriu os portais que estavam fechados, e colocou sentinelas de meteoros nos seus nichos e as conteve com as mãos o seu poder, para que não caíssem na vastidão do éter. Ordenou-lhe que permanecesse estacionário em obediência à seu comando. Fez do sol a brilhante indicação para o dia e da lua, refletora, para a indicação da noite. Colocou-os em movimento em suas órbitas e ordenou-lhes o andamento em estágios de caminhada, a fim de se distinguir, com a sua ajuda, o dia e a noite, e para que o reconhecimento dos anos e os cálculos pudessem ser sabidos pelos seus movimentos constantes. Então, ele fixou, na sua vastidão, o Céu, e ali estabeleceu a decoração, consistindo de pequenas e brilhantes pérolas, e estrelas como lâmpadas. Arremessou contra as perscrutadoras setas de brilhantes meteoros. Os colocou em movimento na rota designada, transformando-os em estrelas fixas, estrelas que se deslocam, estrelas cadentes, estrelas ascendentes, de mau agouro e de boas novas.

A Respeito dos Anjos

Então, Deus, o Glorificado, criou para habitar os seus céus e para ocupar as mais altas camadas do seu reino, novas variedades de criaturas, denominados anjos. Com estes, ele encheu as cavidades e povoou a vastidão da abóbada. Em meio as aberturas dessas cavidades ressoam as vozes dos anjos que glorificam a Deus nos cercos da sublimidade, atrás das cortinas que obstruem, velados quanto a sua Grandiosidade. E atrás desse ressoar, que ensurdece os ouvidos, há o fulgor da luz, que impede que a visão o alcance, fazendo com que, a visão se desaponte com sua limitação. Deus os criou com diferentes formas e características. Eles têm asas. Glorificam a sublimidade de Sua honra. Não tentam apropriar-se da sua habilidade que se mostra com a criação. Tampouco reivindicam que criem algo, no que Deus é sem paralelo. São, ao invés disso, criaturas honoráveis que não se jactam de ter precedência sobre Ele quanto a proferirem algo, sendo que agem de acordo com o seu comando. Fê-los legatários da sua revelação e os enviou aos profetas como portadores das suas leis e proibições. Imunizou-os contra as ondulações das dúvidas. Como consequência, nenhum dentre eles, se extravia da senda da sua vontade. Ele os tem ajudado com os benefícios do socorro, e coberto seus corações com humildade e paz. Tem lhes aberto as portas da submissão as suas glórias. Tem lhes fixado os brilhantes minaretes como sinais da sua unicidade. Os pesos dos pecados não lhes sobrecarregam os ombros e as alternações das noites e dos dias não os fazem mover-se. As dúvidas não atacam, com setas, a firmeza da sua fé. Os maus conselhos não afetam as bases das suas crenças. A faísca da malícia não produz ignição entre eles. A estupefação não empana o que de conhecimento Deles seus corações possuam, ou a grandiosidade e reverência da sua glória que residem em seus peitos. Os pensamentos maus não se inclinam na direção deles, a ponto de lhes afetar a imaginação com sua ferrugem. Entre eles hão os que se encontram nas auréolas das pesadas nuvens, ou nos cumes das altas montanhas, ou nos desalentos da escuridão avassaladora. E há aqueles cujos pés são como brancas insígnias que sumiram na vasta expansão dos ventos. Sob eles sopram o vento leve que os, retém até a sua última meta. A ocupação com adoração a Deus fê-los despreocupados e as realidades da fé têm servido de elo entre eles e o conhecimento Dele. Sua crença quanto a Ele tem os feitos concentrados Nele. Eles anseiam por Ele, não por outros. Têm experimentado a doçura do seu conhecimento e bebido da taça refrescante do seu amor. As raízes do seu temor fora implantada nas profundezas dos seus corações. Por conseguinte, têm curvado suas costas através das suas reverências a Ele. A extensão da sua humildade e a extrema proximidade não lhes retira a corda do seu temor. Não são dados ao orgulho a ponto de se ufanarem das suas ações. A humildade perante a glória de Deus não lhes permite pesarem as próprias virtudes. O langor não os afeta, apesar da sua longa aflição. Seus anelos quanto a Ele não diminui, a ponto de fazer com que abandonem a esperança em seu sustentador. As pontas das suas línguas não ficam secas com as constantes orações. Os engajamentos com outros assuntos não os ocupam aponto de os fazerem mudar suas altas vozes para Ele.

Para outras mais fracas. Seus ombros não ficam deslocados com a postura da adoração. Não mexem os pescoços para este ou aquele lado, para conforto, em desobediência ao seu comando. Os atrativos da negligência não agem contra sua determinação de porfiarem, e os acenos dos desejos não lhes sobrepujam a coragem. Consideram o senhor do trono como o suprimento diário das suas necessidades. Levados por seu amor para com Deus, voltam-se a Ele, enquanto outros se voltam para as criaturas. Não alcançam o limite final da adoração a Ele. O apego apaixonado a sua adoração não faz com que sejam introspectivos, a não ser quanto as fontes de seus próprios corações, fontes essas que nunca estão destituídas da sua esperança e do seu temor. O temor a Deus nunca os abandona, a ponto de fazer com que esmoreçam em seus esforços, tampouco as tentações os enredam, a ponto de fazer com que venham a preferir esta leve busca e não os seus esforços. Eles não consideram grandes os seus virtuosos feitos passados, porque se o fizessem, então, o temor lhes apagaria quaisquer esperanças dos corações. Eles não divergiram entre si quanto ao seu Sustentador, como resultado de um provável controle de Satã sobre eles. O mal da separação, um do outro, não os dispersou. A desconfiança e o rancor não os sobrepujaram. As maneiras de vacilação não os dividiram. As diferenças dos graus de coragem também não fizeram com que se dividissem. De sorte que eles são devotados à fé. Nem os excessos, nem a letargia, nem a languidez, quebram-lhes a corda da fé. Não há o mais diminuto ponto nos céus em que não haja um anjo em prostração perante Deus ou ocupado numa pronta realização dos seus comandos. Com a longa adoração do seu Sustentador eles aumentam o seu conhecimento e a honra Dele aumenta em seus corações.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.