As contribuições do Islã para a humanidade II

09:58 - 2021/11/24

Esses avanços militares após as guerras do Profeta (S.A.A.S), tiveram maior força na época dos primeiros califas. As vitórias dos muçulmanos continuaram na conquista do Iraque e com a saída da Síria e do Egito do domínio de Bizâncio. Os omíadas e abássidas, que governaram após os primeiros califas, continuaram essas conquistas. 
 O curto período do califado Ali (A.S)  também passou entre as batalhas contra os rebeldes, o que levou ao seu assassinato e martírio nas mãos de um dos Kharijites  e o califado caiu nas mãos de Muawia - filho de Abu Sufyan, que enfrentou o Profeta (S.A.A.S) desde o início até a conquista de Meca pelos muçulmanos. 

Esses avanços militares após as guerras do Profeta (S.A.A.S), tiveram maior força na época dos primeiros califas. A motivação dos árabes neste assunto foi provavelmente, em primeiro lugar, a esperança de obter um espólio de guerra.  Mas a recompensa na vida após a morte - e aqui o conceito de jihad está incluído - tinha um peso maior de motivação. As vitórias dos muçulmanos continuaram na conquista do Iraque e com a saída da Síria e do Egito do domínio de Bizâncio. Os omíadas e abássidas, que governaram após os primeiros califas, continuaram essas conquistas. Após as guerras do Profeta (S.A.A.S) e após sua morte, imediatamente com o califado de Abu Bakr, o plano de conquista começou com a ofensiva contra os árabes apóstatas-ahlul-ridda, que se recusaram a pagar religiosamente(zakat). Quando os muçulmanos tomaram a Síria e a Palestina, o império bizantino deixou esta região para sempre, mas suas palavras de despedida ao deixar a Síria entraram para a história como testemunho da nostalgia do Ocidente pelas terras do Oriente. O imperador de Bizâncio disse tristemente ao retornar da Síria: "Você é uma boa terra, mas para o inimigo."

O Islã estava destinado a reinar neste amado território da Roma Oriental por quase um século. Umar, quando se sentou no trono de Abu Bakr, enviou Sa'd Abi Waqqas ao território do Iraque e em pouco tempo ele conseguiu conquistar Ctesiphon , e mais tarde os árabes tomaram a Pérsia, Khurasan e Transoxiana. Essas incríveis vitórias - que foram interpretadas como determinação divina ou milagre islâmico - foram possíveis em todos os territórios do Irã e Bizâncio, onde as massas populares acolhem os vencedores. Se a maioria do povo tivesse considerado os invasores como inimigos, sua vitória não teria sido fácil. Os bizantinos eram mais odiados no Egito do que na Síria, por isso apenas dez mil soldados muçulmanos foram suficientes para libertar o Baixo Egito das mãos dos bizantinos. Embora, algumas cidades que resistiram não puderam durar mais de um ou dois anos. Desta forma, um quarto de século ainda não havia se passado desde a Emigração do Profeta (S.A.A.S) para a península Arábica a ser conquistada, e o novo domínio se estendeu do Sassânida Ctesifonte à Alexandria bizantina. Todos faziam parte do grande território do Islã, onde o chamado à oração-adhan - deu testemunho da unidade divina e da profecia de Muhammad (S.A.A.S).

O califado dos dois pessoas(Abu Bakr e Umar) sem considerar a origem de sua legitimidade, que desde o início suscitou dúvidas e a diferença entre alguns companheiros do Profeta (S.A.A.S), foi uma espécie de governo divino (teocracia) cuja paz e guerra foram baseadas na ordem de Deus - o mandato do Alcorão e a Tradição profética. Além disso, considerando a insatisfação do pequeno grupo de seguidores de Ahlul Bait - o Povo da Casa do Profeta (S.A.A.S) - os Ansar[1] de Medina permaneceram unidos com o mesmo fervor e interesse pela unidade que tinham na época do Profeta (S.A.A.S). Mas após o morto de Umar, um conselho de seis pessoas trouxe Uthman ibn Afan ao trono do califado, que, graças à sua fraqueza e pouco poder de comando, passou o poder para as mãos dos omíadas - inimigos históricos do Profeta (S.A.A.S) - e, desta forma, o governo dos coraixitas de Meca desapontou o Ansar de Medina, deixando-os desanimados e insatisfeitos - assim como o resto dos muçulmanos.

A política interna de Uzmán, durante doze anos, causou uma forte rebelião, o que acabou por causar seu morto. O curto período do califado Ali (A.S)[2] também passou entre as batalhas contra os rebeldes, o que levou ao seu assassinato e martírio nas mãos de um dos Kharijites[3] e o califado caiu nas mãos de Muawia - filho de Abu Sufyan, que enfrentou o Profeta (S.A.A.S) desde o início até a conquista de Meca pelos muçulmanos.
A partir de Muawia, o califado tornou-se monárquico e Damasco tornou-se o centro do governo. Assim, o califado islâmico, onde todas as forças vêm de Deus, se colocou nas mãos de uma família que não havia abraçado o Islã voluntariamente, mesmo na época do Profeta (S.A.A.S) eles lutaram contra ele até seu último suspiro.

 

[1] .Ansar são das cidades Medinans que receberam os imigrantes muçulmanos de Meca e seguiram e apoiaram o Profeta Muhammad (S.A.A.S).

[2] .O quarto califa de acordo com a escola sunita e o primeiro sucessor do Profeta do Islã e o primeiro Imame imaculado de acordo com a escola xiita.

[3] .Kharijites são uma seita teológica extremista do Islã.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
3 + 4 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.