A Perfeição do alcorão

15:43 - 2024/06/17

Antes, a confirmação da profecia e do imamato deve estar contida no Alcorão, que, por si só, é a prova autêntica e o documento da profecia. Todavia, isso não contradiz o fato de que o Profeta e os Imames eram os responsáveis no que tange ao esclarecimento dos detalhes da shariah que não sejam aparentes a partir do texto alcorânico. 

A Perfeição do alcorão

O Alcorão no Islam  A Perfeição do alcorão
O Alcorão mostra ao homem o caminho da realização de sua meta na terra; descreve essa senda nos termos mais completos.
Trata-se de um modo de ver corretamente a realidade das coisas; uma visão pessoal, social e cósmica baseada numa maneira correta de comportamento e um método preciso de interação humana.
No capítulo 46 versículo 30 lemos, “guia a verdade e conduz ao caminho reto” significando o caminho da crença verídica e da ação correta. Em outra passagem, mencionando a Torá e o Evangelho, Deus diz, “Em verdade, te revelamos o Livro corroborante e preservador dos anteriores...”.[1]
O Alcorão, portanto, afirma a verdade dos caminhos de orientação ensinados pelos profetas antecessores.

No capítulo 42, versículo 13 menciona: “Vos prescreveu a mesma religião que havia prescrito à Noé, a qual te revelamos, a qual havíamos recomendado a Abraão, a Moisés e a Jesus”, E no capítulo 16 vers.89, “Temos te revelado o Livro, que é uma explanação de tudo...” Assim, entendemos a partir desses versículos que o Alcorão não apenas abrange os significados e ensinamentos de todos os livros divinos revelados antes, mas também os completa.

Tudo o que o homem precisa, em termos de sua vida espiritual e social, está contido e explicado no Alcorão. a Qualidade Eterna do alcorão A perfeição e a totalidade do Alcorão provam que sua validade não está restrita a uma época ou lugar específico, já que qualquer coisa perfeita não necessita de nada para completá-la. No capítulo 86, versículos 13 e 14, Deus confirma que o Alcorão é uma “palavra conclusiva” e não uma mera “diversão”.

Contém o mais puro dos ensinamentos com respeito à crença na vida após a morte e uma exposição das realidades da existência; ao mesmo tempo, abrange os fundamentos do correto comportamento humano. Uma vez que as leis que governam as relações humanas estão diretamente ligadas às suas crenças, um livro assim obviamente não pode ser anulado ou mudado com o passar do tempo.
Como Ele (Deus) diz no capítulo 17 versículo 105: “Revelamos o Alcorão com a verdade, e o (Livro) desceu com a Verdade”. O que significa que as revelações e sua validade permanente são inseparáveis da Verdade.
Assim sendo, no capítulo 10 versículo 32 (diz): “Fora da verdade o que há senão o erro?...” E no capítulo 41, versículos 41 e 42: “Este é um Livro veraz por excelência. A falsidade não se aproxima dele, nem pela frente, nem por trás...” Em outras palavras, o Alcorão rejeita, com sua própria perfeição e totalidade, qualquer tentativa de alterá-lo; e nem na atualidade ou no futuro pode ser ab-rogado ou substituído. Muitos estudos foram realizados sobre a permanência da validade das leis apresentadas no Alcorão.

O leitor é aconselhado a consultá-los se julga necessário um conhecimento adicional do assunto; prosseguir no tópico aqui, (a posição do Alcorão na vida dos muçulmanos e a maneira em que isso é demonstrado) estará além do escopo desta obra.
O alcorão é uma Prova suficiente O Alcorão, sendo composto de palavras e significados como qualquer outro livro, explica a si mesmo.
Não permanece em silêncio quando a situação do texto exige provas. Além disso, não há razão para se acreditar que os termos alcorânicos signifiquem algo diferente dos que as palavras que são empregadas. O que quer dizer que todo ser humano, possuindo certo conhecimento do idioma árabe, pode claramente entender o sentido do Alcorão do mesmo modo que compreende quaisquer outras palavras escritas em árabe. Existem muitos versículos que são dirigidos a um grupo específico, como a Tribo de Israel, ou aos crentes, aos descrentes e, às vezes, ao homem em geral (se dirigem com frases como “Ó vós que não credes”, “Ó povo do Livro” ou “Ó tribo de Israel” ou “Ó humanos”).
O Alcorão no Islam
O Alcorão discursa a eles, apresentando prova de sua veracidade ou desafiando-os a produzir um livro semelhante se duvidam que seja a palavra de Deus.
É evidente que não há nenhum sentido em se dirigir às pessoas em termos que elas não compreendam ou exigir que produzam algo similar àquilo que não tenha nenhum sentido para elas.
No capítulo 47, versículo 24, lemos: “Porque não refletem sobre o Alcorão?”, o que queria dizer que se o Livro fosse de outro que não Deus, encontrariam nele muitas contradições.
É claramente indicado no Alcorão que os versículos que possuem alguma sutileza ou particularidade de sentido exigem que o leitor reflita sobre eles para afastar quaisquer diferenças de interpretação ou incongruências que possam surgir à primeira vista.
Também se conclui que se os mesmos versículos não possuíssem nenhum sentido aparente, não haveria nenhum ponto neles para que fossem considerados a fim de esclarecer algum problema aparente em sua 32 Allamah Ayyatullah Al-Odhmah Assayed mohammad hussein Al-Tabatabaí (k.s.) interpretação.

Não existem indicações de outras fontes (tal como ocorre com as tradições proféticas) que exijam uma rejeição do aspecto manifesto do sentido do Alcorão. Algumas pessoas argumentaram que se deve consultar somente os comentários do Profeta na elucidação dos sentidos do Alcorão.

Esse argumento é inaceitável, uma vez que a base do comentário do Profeta e dos Imames dos Ahlul Bayt deve ser buscada no (próprio) Alcorão. É difícil imaginar que a validade do Alcorão seja dependente dos comentários do Profeta ou dos Imames de sua família.

Antes, a confirmação da profecia e do imamato deve estar contida no Alcorão, que, por si só, é a prova autêntica e o documento da profecia. Todavia, isso não contradiz o fato de que o Profeta e os Imames eram os responsáveis no que tange ao esclarecimento dos detalhes da shariah que não sejam aparentes a partir do texto alcorânico.

Eles foram, da mesma maneira, encarregados do ensinamento do conhecimento contido no Livro, como se vê no seguinte versículo: “E a ti revelamos a Mensagem para que esclareças os humanos, a respeito do que foi revelado...”[2]  Uma reflexão semelhante ocorre no capítulo 59 versículo 7 onde, em referência ao código da prática e da lei trazido pelo Profeta à humanidade, o Alcorão afirma, “Aceitai, pois, tudo o que o Mensageiro vos der, e abstende-vos de tudo quanto vos proíba”.
No capítulo 4 versículo 64 diz: “Jamais enviamos um mensageiro que não devesse ser obedecido com a anuência de Deus” E ainda, no capítulo 62 versículo 2, “Ele foi Quem escolheu, entre os iletrados, um Mensageiro de sua estirpe, para ditar-lhes os versículos, consagrá-los e ensinar-lhes o Livro e a Sabedoria...” De acordo com estes versículos, o Profeta é o explanador designado dos detalhes da shariah e também o mestre no que se refere ao Alcorão.
Ademais, de acordo com a tradição conhecida como thaqalayn, que foi confirmada por uma cadeia ininterrupta de narradores, o Profeta designou os Imames de sua família como seus sucessores. O que não nega que outros também, por meio de correta aplicação dos ensinamentos de mestres sinceros, possam compreender o sentido do Alcorão.
O Alcorão no Islam Allamah Ayyatullah Al-Odhmah Assayed Mohammad Hussein Al-Tabatabaí (K.S.) p 29-34

 

[1] . C.5 – V.48

[2] . C.16 – V.44

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
13 + 2 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.