Explicação breve sobre Revolução do Imam Hussain

11:25 - 2016/10/01

Existiram motivações políticas, sociais e religiosas que incentivaram Hussain (A.S.) a iniciar o seu levante e revolução, e dessa forma enfrentar Yazid ibn Mu’awiyah. Jamais existiram motivos pessoais por parte do Imam Hussain (A.S.). Uma das primeiras motivações de sua revolução foi o desrespeito e as contradições em relação aos princípios e jurisprudências islâmicas.

Explicação breve sobre Revolução do Imam Hussain

 

Perdoar o Inimigo

É costume dos inimigos não perdoarem uns aos outros, a não ser raramente. Quando um dos lados é causador do problema, o perdão fica muito distante da realidade. O Imam Hussain (A.S.), porém, perdoou em Karbalá até quem foi motivo de seu acampamento naquele local, impossibilitado que ficou de se dirigir a Kufa, ou de retornar para Meca, sendo, em seguida, atacado pelos exércitos inimigos.

Hurr Ibn Yazid Ar Riáhi cercou Hussain (A.S.) e recusou todas as suas ofertas, como ir para Kufa, voltar para Medina ou seguir outro caminho, apesar de Hussain (A.S.) ter sido benevolente com ele, salvando-o e a seu exército de terem perecido de sede. Quando Hurr recobrou a razão e se arrependeu do que fez, pediu perdão a Hussain (A.S.). Suplicou-lhe que o perdoasse pelo crime que havia cometido. Hussain (A.S.) recebeu-o de braços abertos e aceitou a sua desculpa, dando-lhe as boas vindas e perdoando-o.

Além disso, prestou-lhe uma honrosa homenagem, depois de ter combatido a favor do Islã e defendido as leis islâmicas. Ele disse, fazendo-lhe o elogio fúnebre depois de cair como mártir. Em pé ao lado do corpo, falou o Imam (A.S.): “A sua mãe não errou ao dar-lhe o nome de Hurr, pois, você é livre neste mundo e feliz no Outro.”

Orientação e não derramamento de sangue

É costume dos revolucionários se excederem na vingança, aumentando a sede do derramamento de sangue dos inimigos. Preocupam-se apenas na matança. A Revolução de Hussain (A.S.), porém, não podia ter essa característica e carregar o peso da culpa. A Revolução de Hussain (A.S.) foi uma revolução orientadora e despertadora, principalmente para aqueles que foram enganados pelos tiranos. Por isso, Hussain (A.S.) recusou dar início à luta, apesar de ter sido muito aconselhado, admoestado, lembrado e advertido. Quando foi cercado por Hurr no caminho, Zuhair Ibn Alkain disse: “Ó, filho do Mensageiro de Deus, lutar contra esse é mais fácil do que lutar contra os que virão depois. Vamos ter que enfrentar o que não conseguimos derrotar.”

O Imam (A.S.) respondeu: “Não vou iniciar a luta.” Ele resolveu aconselhá-los, admoestá-los e fazer-se conhecer. A história nos informa que o Imam (A.S.) continuou orientando e exortando, lembrando e advertindo durante todo o tempo do levante, desde a sua saída de Medina até os últimos instantes de sua nobre vida e antes de seu martírio.

A história registra todas as suas admoestações, seus sermões e suas palavras aos indivíduos e às comunidades, o que demonstra que ele não economizou empenho, nem meios para despertar, instruir, orientar e guiar, com a esperança de fazer a comunidade assumir as suas responsabilidades religiosas e políticas, evitando o derramamento de sangue. Até quando foi obrigado a lutar, ele só o fez em defesa própria, contentando-se com o necessário, sem desejar o sacrifício vão das pessoas.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
3 + 0 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.