Uma carta nunca escrita I Os últimos dias da vida do Profeta Mohammad

10:22 - 2021/10/13

Os últimos dias da vida do Profeta constituem um dos capítulos mais precisos da história do Islã.
Eram aqueles dias de dor para o Islã e os muçulmanos. A iminente oposição de alguns discípulos e sua desobediência a partir do exército de Usamat, eles sugeriram uma série de atividades clandestinas que estavam sendo realizadas, cujo resultado seria assumir o governo e a política do Islã após a morte do Profeta, rejeitando ao sucessor que havia sido nomeado por ele no dia do Gadir.

O profeta Mohammad (S.A.A.S) conhecia algumas das intenções dessas pessoas por isso, para frustrar suas tentativas, insistiu que todos os grandes discípulos participassem do exército que logo partiria, deixando Medina o mais rápido possível para confrontar os bizantinos.  Apesar de tudo, os atores desta cena política impediram o exército de partir até o dia em que o Enviado de Deus faleceu com o único propósito de realizar seus planos. Após um atraso de 16 dias, o exército voltou a Medina após a notícia da morte, não cumprindo o desejo do Profeta de que, no dia de sua morte, o território de Medina estaria livre de políticos irritantes que provavelmente se oporiam a isso seu sucessor. Mas todas essas pessoas não só não abandonram Medina, mas também tentaram impedir qualquer tipo de atividade que favorecesse a posição de comandante dos crentes, tentando, por diversos meios, fazer o Profeta desistir do assunto.
O Profeta tomou conhecimento do comportamento e da clandestinidade, de algumas reuniões realizadas pelas filhas daqueles discípulos - que estavam entre suas esposas. Então, muito febril, foi à mesquita e exclamou: “Pessoas! As chamas do fogo foram acesas. As sedições estão vindos como parte de uma noite escura e você não terá desculpas para me contrariar, porque eu não fiz lícito, mas o que o Alcorão tornou lícito, e eu não os proibi mais do que o Alcorão proibiu”.

"ME DÊ PAPEL E PLUMA PARA ESCREVER UMA CARTA"
O Santo Profeta (S.A.A.S.) sabia as atividades que aconteciam fora de sua casa e cujo propósito era tomar o califado. Para evitar esse desvio, ele decidiu consolidar a ordem de sucessão no Príncipe dos crentes e seus descendentes, deixando um documento escrito. Portanto, um dia, quando os discípulos o visitaram, meditou um pouco e então disse-lhes: “Dê-me uma pluma e papel para escrever algo do qual vocês nunca se desviarão.” Naquele momento, Umar, que mais tarde se tornaria o segundo califa, quebrou o silêncio da reunião dizendo: “O Profeta piorou, o Alcorão está à nossa frente e é o suficiente para nós.” Sua opinião foi contestada. Um grupo se opôs a ele e disse: “Não, a propósito, a ordem do Profeta deve ser cumprida, dê-lhe papel e pluma para escrever o que ele quiser.” No entanto, outro grupo ficou do lado de Umar e impediu que o pedido fosse fornecido. O Mensageiro de Deus ficou muito triste com as discrepâncias e ofensas de seus discípulos e ordenou: “Levantem-se e saiam desta casa.” Ibn Abbas diz após relatar o evento: “A maior calamidade para o Islã foi as diferenças e discussões de um grupo de discípulos que impediram o Profeta de legar aquela carta.”
Este evento foi contado por um grupo de Muhaddizin de escolas sunitas e também xiitas e é contado entre as tradições verdadeiras e bem documentadas. A única diferença é que a primeira escola tenta melhorar e mudar as palavras de Umar e não relaciona o acontecimento real. Escusado será dizer que é evidente que esta atitude (de Umar) não foi devido a uma questão de respeito para com o Profeta (S.A.A.S), mas sim tentou proteger a posição de Umar para que os futuros muçulmanos não tivessem um mau exemplo de Sua pessoa.
Também Abu Bakr AI-Yuhari, autor do livro “Al-Saqifa”, diz sobre Umar: “Umar proferiu uma frase com a qual queria significar que a doença do Profeta havia se intensificado.” No entanto, alguns outros autores, no momento de transmitir as palavras de Umar, o fazem, mas se abstêm de revelar seu nome. Eles dizem: "Então eles disseram: 'O Enviado de Deus está delirando.'" Esta expressão não pode ser perdoada a ninguém, uma vez que, de acordo com o próprio Alcorão, o Profeta está livre de todo pecado e erro, e fala apenas com o consentimento divino...

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.