Morte do Dajjal por Imam Mahdi II

15:30 - 2022/11/22

 “Será que devo falar sobre o capítulo do Alcorão, o qual a revelação foi seguida por 70000 anjos, e que sua grandeza preencheu todo o espaço entre os céus e a terra? E porquê?” Ele (S) mesmo respondeu: “É o Surah Kahf. Aquele que recitar na sexta-feira, será perdoado por Allah até a próxima sexta-feira, e com um acréscimo de três dias, e uma luz será concedida a ele, que alcançará o céu e ele permaneça a salvo do Dajjal.”

Dajjal o inimigo do salvador

Não há dúvida de que rezar por aquele que eliminará o líder dos tiranos (Dajjal); ajuda-lo e apoiá-lo são feitos dignos de louvor, como provam a lógica e os textos islâmicos. 

1. É que Sua Eminência disse: “Por Allah, aquele que é perguntado não tem mais conhecimento do que o questionador.” Prova que é um daqueles acontecimentos sobre os quais há possibilidade de mudanças, adiamentos ou avanço. E nenhum tempo é determinado para isso.

2. Dajjal será um ilusionista, e é por isso que as pessoas pensarão que o Sol o está seguindo. O que apoia isso são declarações de Sua Eminência como: “As pessoas pensarão que é comida (pão)” e também “o chão se desenrolará debaixo de seus pés”. Nesse caso, uma metáfora para a velocidade com que ele viajará sobre a terra.

3. O aparecimento da Daabbatul Arz ocorrerá durante o período do advento do Imam Mahdi (aj). Um grande número de tradições foi registrado, segundo os quais, (Daabbatul Arz) implica o Amirul Momineen ‘Ali (as).

Um desses relatos tradicionais está no Biharul Anwar, pela própria cadeia de narradores do autor até Abu Abdullah Jadali que disse: “Eu fui até Ali Ibne Abi Talib (as) e ele me disse: “Será que devo informa-lo sobre certas coisas antes que alguém (a morte) venha encontrar você ou eu?” “Por que não?”, eu disse. Ele disse: “Eu sou o servo de Allah e sou a Daabbatul Arz. Eu sou a verdade e a justiça da Terra e o irmão do seu Profeta. Será que devo informa-lo então sobre os olhos e o nariz do Mahdi?” “Sim”, eu disse. Sua Eminência então manteve a mão em seu peito e disse: “São como os meus.”

Em outro relato é narrado que ele disse: “Eu ui até ‘Ali (as) e ele me disse: ‘Deixe-me falar sobre sete questões antes que alguém venha (me encontrar).” “Por favor, diga-me, e que eu seja sacrificado por você”, disse eu. Ele disse: “Você sabe como são os olhos e o nariz do Mahdi?” Ele disse. Eu disse: “Como os seus, Amirul Momineen (as)?” Ele (as) respondeu: “Eu sou a Daabba; a justiça e a veracidade. Eu juro por Allah, todos aqueles que são injustos com serão destruídos.”


Justiça do Imam Mahdi

Em Biharul Anwar, citando Maani al-Akhbaar, por meio da sua própria cadeia de narradores até Abaaya al-Asadi, é narrado que: Amirul Momineen (as) sentia-se indisposto e eu estava presente ao lado de sua cama quando ele me disse: “Vou estabelecer um púlpito em Misr, e destruirei Damasco, e expulsarei da Arábia os cristãos e os judeus mais do que qualquer outra pessoa jamais o fez.”. Eu disse: “Ó Amirul Momineen (as), é como se você estivesse dizendo que será ressuscitado dos mortos?” Ele respondeu: “Não é assim, ó Abaaya, como você pensa; um homem vindo de mim (um dos meus descendentes) fará essas coisas.” Sheikh Sadooq diz: “Aqui, o Amirul Momineen (as) observou Taqiyyah com Abaaya al-Asadi.”

E no Biharul Anwar também é narrado de Sua Eminência, Abu Abdillah Sadiq (as) que ele disse: Um homem perguntou a Ammar bin Yasir: “Ó Aba Yaqzaan, há um versículo no livro de Allah que destruiu meu coração e me colocou em dúvida.” Ammar disse: “Qual versículo?” O homem disse: “Quando Allah, o Todo-Poderoso diz: “E, quando a palavra se cumprir contra eles, nós lhes traremos uma criatura da terra, que falará com eles, porque as pessoas não acreditaram em nossas comunicações.” (Alcorão, Surah Naml 27:82) “O que é Daabba?” Ammar disse: “Juro por Deus, não me sentarei, comerei ou beberei até que eu mostre ela a você.” Então, levando aquele homem com ele, ele foi até o Amirul Momineen (as). Sua Eminência estava participando de alguns encontros. Ele disse a Ammar: “Avance, ó Aba Yaqzaan!” Ammar sentou-se e começou a compartilhar dos comestíveis. Aquele homem ficou surpreso, se levantou disse-lhe: “Glória a Deus! Ó Aba Yaqzaan! Você jurou que não comeria, beberia ou dormiria até que me mostrasse Daabbatul Arz!” Ammar disse: “Se você refletir, entenderá que eu a mostrei a você”. 

Também é narrado de Sua Eminência que ele disse: O Mensageiro de Allah (S) viu o Amirul Momineen (as) enquanto ele estava dormindo na mesquita; ele havia juntado um tanto de poeira e apoiado a cabeça nela. O Sagrado Profeta (S) tocou em sua perna e disse: “Ó Daabbatullaah! Levante-se!” Um companheiro que testemunhou isso perguntou: “Ó Mensageiro de Allah (S)! Devemos nos dirigir uns aos outros com este nome?” Ele respondeu: “Não, por Deus, é restrito somente a ele (Ali), e ele é a Daabba que Allah mencionou em Seu livro.”

4. O que Sua Eminência disse entre a tradição anterior: “Depois disso, o arrependimento não será mais aceito...”, prova que Hazrat Hujjat aceitará o arrependimento e a fé daqueles que foram descrentes e rebeldes até o aparecimento da Daabbatul Arz, mas quando a Daabba surgir, o tempo para o arrependimento terá terminado. “No dia do julgamento, a fé daqueles que agora descreem não os beneficiará...”

Conforme mencionado na discussão sobre a eliminação dos descrentes, a conclusão é que Sua Eminência apresentará o Islam a eles; aqueles que concordarem em obedecer, serão salvos, e aqueles que não aceitarem, serão eliminados. Em alguns outros relatos tradicionais, Sua Eminência não aceita o Islam daqueles que não eram muçulmanos antes, e ele não aceita o arrependimento de ninguém. Assim como Shaykh Sadooq (ra), no livro Kamaluddin, narrou de Sua Eminência, Abu Abdillah Sadiq (as) sobre a palavra de Allah, o Poderoso e Sublime: “No dia em que alguns dos sinais de vosso Senhor vierem, sua fé de nada servirá para os que não acreditaram antes, e então, de nada lhes servirá sua fé.” (Alcorão, Surah Anaam 6: 158)

“Os sinais são os Imams (Mushtarta) e o ayat é Qa’im (aj). Depois desse dia, a fé não lhes beneficiará, se antes de Sua Eminência surgir com a espada, eles já não tinham fé – e mesmo se seus ancestrais tiveram.”

E numa tradição narrada em Biharul Anwar, de Sua Eminência, o Imam Abu Ja'far Baqir (as), é mencionado: “Ele não se desculpará com ninguém e, no caminho de Allah, as críticas não o conterão...” E outros relatos tradicionais que são aparentemente conflitantes, e sob este aspecto, a essência da questão é a seguinte: Sua Eminência aceitará o arrependimento e a fé de seus oponentes, até o surgimento da Daabba, mas ele não aceitará depois disso.

Eu digo: com referência ao relato que veio no Tafseer Burhan sobre o versículo: “No dia em que alguns dos sinais de seu Senhor vierem...” (Alcorão, Surah Anaam 6: 158) O Relato é narrado por Sua Eminência, Abu Abdillah Sadiq (as) e diz: “Há sempre uma prova divina presente na terra, aquele que sabe o que é lícito e o que é proibido, e que convida o povo ao caminho de Deus. E a Prova Divina não deixará a terra exceto quarenta dias antes do Dia do Juízo. Assim, quando a Prova Divina for revelada e aceita, a porta do arrependimento se fechará. Sua fé então não beneficiará a alma que não acreditou antes da Prova Divina surgir.”

De fato, durante o período do reaparecimento do Imam Mahdi (as), as pessoas não estarão imunes a pecados. A implicação do relato é que, se pessoas cometerem pecados e antes da hora marcada arrependerem-se, seu arrependimento será aceito, mas quando a Prova Divina é houver surgido, as portas do arrependimento se fecharam. Com base nisso, não há contradição entre os vários relatos.

E o respeitado estudioso, Nimatullah Jazaeri (ra), mencionou o seguinte no livro, Al-Anwaarun No'maaniya: “Tenho pensado muito nesses relatos, querendo entender todos eles juntos, até que finalmente, o Deus Todo-Poderoso me deu o Tawfeeq e me deparei com uma tradição que reconcilia as tradições aparentemente conflitantes, e a essência dessa tradição é que: Quando Sua Eminência, o Mahdi (aj), surgir, o Todo-Poderoso Allah levantará da sepultura alguns dos que morreram em infidelidade, e haverá uma discussão sobre isso - e Sua Eminência não aceitará o arrependimento dessas pessoas, pois morreram e já viram o castigo divino com os próprios olhos, e agora desejam desesperadamente abraçar a fé porque o arrependimento deles será como o do Faraó quando estava prestes a se afogar e disse: ‘Eu me arrependo’, mas o Deus Todo-Poderoso respondeu: “...e de fato você desobedeceu antes e se contou entre os transgressores...” (Alcorão, Surah Yunus 10:91) E Ele não aceitou seu arrependimento. Ou então, é como alguém cuja alma subiu até a garganta (prestes a morrer) e ele viu seu lugar no fogo do Inferno; mas agora, se ele se arrepender, seu arrependimento não será aceito; e quanto a aqueles que estiverem vivos durante o período de reaparecimento, terão que aceitar a fé ou serão eliminados.” 

 

5. O que Sua Eminência disse na tradição sobre o Dajjal, e nos informa da razão dele ser nomeado como o Cristo; e embora um impostor sinistro, eles o chamaram de Masih. Sob o significado de Tamseeh, ele diz: É que Allah, o Todo-Poderoso, cria algo para ser abençoado ou amaldiçoado, opostos um do outro. E Jesus Cristo é chamado assim devido às suas bênçãos, e às explicações que mencionei no livro Mashaariqul Anwaar.

6. O autor de Qamoos disse sobre o significado de Dajjal: ‘Dajjila’ é um óleo que é massageado em camelos para esconder suas feridas, e é por esse isso ele é denominado como Dajjal, por parecer o que não é. Ou poderia estar num outro significado próximo; Dijl, que significa mentir, trapacear, enganar. Ou também Tadjeelan, que implica esconder com polimento, maquiagem, engano e falsidade. Ou Dajlun Naas, pois as pessoas irão segui-lo.

7. Shaykh Ameenuddin Fadl bin al-Hasan Tabarsi diz em seu Tafseer Majmaul Bayan, numa tradição Mursal (tendo cadeia incompleta de narradores) do Sagrado Profeta (S), que ele disse: “Aqueles que recitarem Surah Kahf por oito dias, permanecerão protegidos de todos os tipos de tribulações, e se o Dajjal aparecer durante esses oito dias, o Allah, o Todo-Poderoso, os tornará imunes às maldades do Dajjal.”

No mesmo livro, em outra tradição de Sua Eminência, é relatado que ele disse: “Aquele que recita dez versos da Surah Kahf não será prejudicado pelas tribulações do Dajjal, e aquele que recita o capítulo inteiro entrará no Paraíso.” 

Em outro relato é citado de Sua Eminência que ele disse: “Será que devo falar sobre o capítulo do Alcorão, o qual a revelação foi seguida por 70000 anjos, e que sua grandeza preencheu todo o espaço entre os céus e a terra? E porquê?” Ele (S) mesmo respondeu: “É o Surah Kahf. Aquele que recitar na sexta-feira, será perdoado por Allah até a próxima sexta-feira, e com um acréscimo de três dias, e uma luz será concedida a ele, que alcançará o céu e ele permaneça a salvo do Dajjal.

Em outro relato tradicional é narrado de Sua Eminência que ele disse: “Aquele que aprende de cor os primeiros dez versos do Surah Kahf e então encontra o Dajjal, ele (Dajjal) não será capaz de lhe causar nenhum dano. E haverá uma luz no Dia de Qiyamat para quem aprender de cor a última parte do Surah (Kahf).”

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
2 + 12 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.