Mensagem do Líder dirigida aos peregrinos do Hajj em 2016

17:30 - 2016/09/07

چکیده:Que todas as bençãos sejam para Alá, o senhor do mundo, saúdo ao profeta Mohamad (que a paz e bençãos divinas estejam sobre ele) e a todos os seus descendentes, bem como aos seus nobres companheiros e seus seguidores benditos até o dia da Ressurreição.

Mensagem do Líder dirigida aos peregrinos do Hajj em 2016

Irmãos e  irmãs muçulmanos de todo  o mundo,

A  temporada de Hajj para os muçulmanos, é um momento de honra e glória perante os olhos de todas as  criaturas, e o momento da iluminação dos corações,  purificação da  alma, humildade e a suplicação ao seu  Criador. O Hajj é um ritual sagrado, terreno, espiritual e popular. De uma parte é a realização da ordem “relembrar de  Allah como recordáis muito os vossos  antepassados, Recordais de Allah nos dias determinados, e por outra parte menciona “que esteja  estabelecido para os homens tanto os que residem nela como em si mesmo”, revelando em  distintos aspectos indefinidos de Hajj.

Nesta ocasião singular, a segurança do tempo e do lugar, como a clareza de uma estrela brilhante, que tranquiliza a alma dos seres humanos e do peregrino dos fatores de insegurança que sempre o rodeiam e são constantes ameaças para o homem por parte dos opressores dominantes, traz a alegria de tranquilidade neste  período determinado.

O Hajj, Abraamito que foi oferecido aos  muçulmanos pelo  Islamismo, é um  símbolo de  dignidade, espiritualidade, unidade e da glória, o qual representa aos inimigos a grandeza da Nação Islâmica e o seu apoio ao poder eterno, da divindade aos malvados e que reflete a distância dos mesmos com o atoleiro da corrupção e a humilhação que os opressores impuseram a comunidade humana.

O Hajj islâmico e monoteísta, é repleto de “Aqueles que estão com ele são severos para com os incrédulos, porém compassivos entre si.”, é um lugar de repúdio aos pagãos e amizade e unidade com os crentes .

Aqueles que desprezam o Hajj, e o reduzem a uma viajem de peregrinação turística e ocultam suas inimizades e rancor à nação devota e revolucionária iraniana, sob o disfarce de “politizar o Hajj ”, são os insignificantes Satãs que estão abalados por medo de arriscar os interesses do Grande Satanás que é os EUA.

Os governantes sauditas que este ano obstruíram o caminho da Casa de Deus e a Mesquita Al-Haram e privaram os devotos e honrados peregrinos iranianos ao acesso a estes lugares, são os denegridos extraviados que se consideram a  sobrevivência do seu governo e a realização dos seus desejo em defesa dos arrogantes mundiais e na aliança  com o sionismo e os Estados Unidos, neste caminho não hesitam de qualquer esforço e intrigas.

Já completou um ano dos doloroso incidentes de Mina (na Arábia  Saudita), onde  milhares de pessoas perderam suas vidas injustamente, no exato dia da Festa (Eid), sedentos e sob um calor insuportável, e anteriormente a esse episódio, na Mesquita de Al-Haram outros grupos peregrinos que estavam orando e fazendo o ritual do giro a Kaaba, perderam suas vidas (pela queda e desmoronamento de um guindaste). Em ambos os casos os governantes saudita são responsáveis, alias, este foi um erro inaceitável que os observadores e analistas  técnicos,  inclusive alguns especialistas levantaram a hipótese de que tivesse sido deliberadamente feito por eles. O atraso e negligência em salvar as vidas dos feridos e dos que estavam ainda com vida, que se encontravam orando a Deus com o coração entusiasmado cantando os versículos divinos e com a alma emocionada, foi óbvio e definitivo.

Os governadores cruéis e criminosos da Casa de Al Saud, recolheram os feridos, juntamente com os corpos sem vidas dos peregrinos em contêineres fechados e sem tratar, ajudar ou levar água aos seus sedentos, provocaram a sua morte, enlutando milhares de famílias e entristecendo os povos do mundo. Entre os mártires foram de aproximadamente 500 peregrinos iranianos.

Mas as autoridades sauditas em lugar de pedir desculpas e lamentar pelo incidente e fazer justiça aos autores deste acidente terrível, descaradamente e com audácia, rejeitaram  inclusive a formação de uma missão da verdade internacional Islâmica para investigar, e em vez de ficar no banco dos réus, se encontram como reclamantes e  desvendar mais uma vez a sua hostilidade com a  República Islâmica do Irã e à qualquer bandeira levantada do Islã contra a arrogância e  blasfêmia.

As suas medidas propagandistas, tanto dos  políticos que seus comportamentos diante os sionistas e os EUA, se qualificam como uma desonra para o mundo muçulmano, como os jurisprudentes islâmicos desapiedados e malfeitores que publicamente emitiam decretos religiosos (Fatwa)  contra a Escritura de Deus e a  Tradição do  Profeta do Islã, bem com as marionetes jornalistas que até a sua ética profissional, não os impediu de criar ou propagar mentiras, esforçam futilmente acusar a  República Islâmica do  Irã, e privar os  peregrinos iranianos a participarem da  cerimonia de Hajj desde ano.

Os governantes conspiradores inventando e equipando  os grupos terroristas Takfiris e malignos, envolveram o Mundo islâmico em guerras civis, sacrificando os inocentes, derramando  banhos de sangue no lêmem, Iraque, Síria, Líbia e outros países.

Os políticos ímpios que estendem as mãos de amizade para o regime usurpador sionista e estão fechando os olhos perante a dor e o sofrimento dos palestinos e se estendem a dimensão da sua atrocidade e opressão às  cidades e povos  de Bahrein, os dirigentes não-religiosos e sem juízo de valores causaram a grande  tragédia de Mina e em  nome dos guardiãs dos  lugares santos, profanaram a  fronteira segura da Casa de Deus e  sacrificaram os seus convidados, no dia do Eid em Mina e  antes disso na  Mezquita Al-Haram, agora estão  proclamando o  tema de não politizar o Hajj e acusando os outros dos  pecados capitais que eles mesmos cometeram ou são acusados.

Eles são os exemplos evidentes da iluminada palavra do Sagrado Alcorão que diz:

“E quando se retira, eis que a sua intenção é percorrer a terra para causar a corrupção, devastar as semeaduras e o gado, mesmo sabendo que a Allah desgosta a corrupção. Quando lhe é dito que tema a Allah, apossa-se dele a soberba, induzindo-o ao pecado. Mas o inferno ser-lhe-á suficiente castigo. Que funesta morada! (surata Bácara 205-206)

Segundo os relatos, os peregrinos dos outros países estão sujeitos aos controles frequentes, com ajuda dos outros sistemas de inteligência dos Estados Unidos e do regime de Tel Aviv e provocaram uma insegurança para todos na casa segura de Deus.

O  mundo islâmico, incluindo os Estados e as nações muçulmanas , devem conhecer os governantes sauditas e entender corretamente a realidade das suas profanações, incrédulos, dependentes e materialista deveriam censurá-los pelas tantas injustiças e vários crimes que cometeram contra o mundo do Islã e deveram ainda refletir em encontrar uma solução perante estes comportamentos irresponsáveis e a administração da Casa de Deus e os lugares sagrados e o tema de Hajj.

O descuido neste dever, resultaria no marco dos problemas para o futuro da Nação Islâmica.

Irmãos e irmãs muçulmanos,

Este ano estão ausentes os entusiastas e sinceros peregrinos iranianos no ritual do Hajj, mas eles com seus corações estarão presentes ao lado dos outros peregrinos procedentes de todo o mundo e estarão preocupados pela sua saúde e orando para que a casa tirana de Al Saud não possa prejudicá-los.

Recordam aos seus irmãos e irmãs iranianos em suas súplicas e orando para resolver as dificuldades existentes nas sociedades islâmicas e cortar a mão dos imperialistas, sionistas e seus aliados da Nação Islâmica.

Eu comemoro e recordo os mártires de Mina e da Mesquita Al-Haram do ano passado e os mártires de Meca do ano de 1366 da hégira solar e peço o perdão, a misericórdia e grandeza de Deus , para eles e saudando o Hazrat Baghiatallah Azam (Imam Mahdi), 

Rogo a Deus Todo poderoso a exaltação de todos os muçulmanos e as suas salvações a qualquer intriga e mal dos inimigos.

A Deus, pedimos prosperidade e sucesso de todos e a confiança Nele!

Seyed Ali Khamenei

Final do mês Zighada do ano de 1437. corresponde ao dia 15 do mês de Shahrivar de 1395 e 5 de setembro de 2016.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
8 + 2 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.