O que significa ser humano e a condição humana II

11:56 - 2021/10/19

Não penso que haja nenhum pensador no mundo que interprete o humanismo como significando ou representando a paz universal. É claro que existem pessoas comuns que pensam que todos os seres humanos no mundo são iguais e que têm o mesmo valor. mas isso não é verdade. Um é educado, outro é ignorante; o primeiro é virtuoso, o último corrupto; um é tirano e opressor, outro é oprimido; um é benevolente e o outro mau. Devem todos eles ser considerados iguais do ponto de vista humano, independentemente de seu conhecimento, sua fé, sua virtude, sua benevolência, ou vice-versa?
 

O que significa ser humano e a condição humana II

Não se trata mais desses assuntos (a origem divina do homem, a existência em sua essência do sopro divino), e nem mesmo os motivos humanos internos são discutidos, mas há apenas uma crença na sacralidade da humanidade e em sua inteligência. Vemos agora que todas as doutrinas, e mesmo a Declaração dos Direitos Humanos, começam suas declarações com a frase "Respeito pela dignidade inerente ao ser humano". Dizem isso para basear sua educação nesta base e, embora cada indivíduo seja capaz de violar os direitos dos outros, esse respeito pela dignidade e pela sacralidade da humanidade seria um impedimento para tais violações.
Muitos daqueles que seguem a filosofia do humanismo têm uma visão diferente das do passado. Mas a dificuldade reside nesta mesma contradição incidental na vida, pensamento e lógica da humanidade hoje; uma lógica infundada.
Não penso que haja nenhum pensador no mundo que interprete o humanismo como significando ou representando a paz universal. É claro que existem pessoas comuns que pensam que todos os seres humanos no mundo são iguais e que têm o mesmo valor. mas isso não é verdade. Um é educado, outro é ignorante; o primeiro é virtuoso, o último corrupto; um é tirano e opressor, outro é oprimido; um é benevolente e o outro mau. Devem todos eles ser considerados iguais do ponto de vista humano, independentemente de seu conhecimento, sua fé, sua virtude, sua benevolência, ou vice-versa?
Se dizemos isso, estamos traindo a humanidade. Vamos dar um exemplo. Ambos A e B são seres humanos biologicamente semelhantes. Se você não gosta de um deles, isso não tem nada a ver com seu grupo sanguíneo, mas embora você seja humanista, você não pode ser indiferente a ambos e declarar que é igualmente humano; porque então ambos deveriam ser igualmente bons, ou igualmente desagradáveis. Mas este não é o caso, uma vez que a diferença básica entre seres humanos e animais é que os seres humanos têm mais potencial do que os animais e menos atualidade. O que significa isto? Um cavalo, no momento do nascimento, possui todas as peculiaridades que um cavalo deve ter, e se tiver menos que isso, será obtido com a prática. Mas um ser humano tem tudo em poder ao nascer. Não se sabe o que ele ou ela será no futuro. A forma é humana, mas essa pessoa pode realmente se tornar um lobo (um tirano opressor), ou uma ovelha (um oprimido) ou um ser humano.
Mulla Sadra, o grande filósofo islâmico iraniano, apontando o erro das pessoas que pensam que os seres humanos são iguais em tudo, diz que existem tantos tipos de indivíduos quanto os próprios indivíduos. É claro que é considerar o ser humano filosoficamente e não biologicamente. Um biólogo presta atenção aos órgãos e membros humanos, enquanto um filósofo se concentra nas qualidades do ser humano, portanto, ele não pode sustentar que os seres humanos são todos da mesma classe. Portanto, dizemos que os valores humanos são potenciais. Alguns alcançam o auge da humanidade, enquanto outros não o fazem. Como disse Ali (A.S): "A forma é humana, mas o coração (isto é, o núcleo, o intelecto) pode ser o coração de um animal." Nem todos os indivíduos têm um interior proporcional ao exterior.
Como disse antes, em grande medida o mundo está voltando mais uma vez à escola da humanidade, o que significa que surgiram as filosofias da humanidade. E o mais estranho de todos é o credo de humanidade que Augusto Comte[1]  criou em meados do século XIX. Este homem oscilou entre sua inteligência e mente, de um lado, seu coração e consciência, do outro, e chegou à conclusão de que o ser humano precisava de alguma crença, cuja ausência causava todo tipo de corrupção social. Segundo ele, a religião do passado (o catolicismo) não era mais adequada para o homem moderno. Ele descreveu três estágios na religião: o estágio divino sobrenatural (teológico), o estágio do raciocínio filosófico (metafísica) e o estágio da ciência positiva. Ele argumentou que o catolicismo pertencia ao pensamento sobrenatural do ser humano e que isso não era aceitável para o homem da era científica. Sua religião inventada, porém, carecia de uma raiz oculta e sobrenatural, mas ele aceitava todas as religiões e ritos que existiam antes, e até propôs ter sacerdotes desse novo credo, apresentando-se como seu profeta, mas um profeta sem Deus.

 

[1] Auguste Comte (1798-1857). Ele começou como um matemático racionalista que, como herdeiro dos enciclopedistas, tinha aversão a toda especulação metafísica, mas depois mudou de direção e fundou sua religião positivista que teve grande influência no Ocidente até o final do século XIX.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.