Uma carta nunca escrita IV Os últimos dias da vida do Profeta Muhammad

13:03 - 2021/10/13

O Santo Profeta (S.A.A.S.) sabia as atividades que aconteciam fora de sua casa e cujo propósito era tomar o califado. Para evitar esse desvio, ele decidiu consolidar a ordem de sucessão no Príncipe dos crentes e seus descendentes, deixando um documento escrito. Portanto, um dia, quando os discípulos o visitaram, meditou um pouco e então disse-lhes: “Dê-me uma pluma e papel para escrever algo do qual vocês nunca se desviarão.”

A COMPENSAÇÃO DESTE ASSUNTO
Embora a oposição pública de alguns discípulos tenha feito o Profeta desistir de escrever aquela carta, ele utilizou outra via para comunicar sua intenção. Enquanto passava por horas difíceis e extremamente gravidade, colocou uma das mãos no ombro de Ali e a outra no de Maimuna e se dirigiu à mesquita. Com grande dificuldade e suportando grande dor, ele subiu ao púlpito. Lágrimas escorreram dos olhos das pessoas e o silêncio reinou na mesquita. Todos estavam esperando para ouvir as últimas palavras e recomendações do Profeta (S.A.A.S.). Então ele quebrou aquele silêncio dizendo: "Deixo entre vocês duas joias (Saqlain)." Um homem perguntou: "O que você quer dizer, Mensageiro de Deus?" Ele respondeu: “Agora vou explicar. Um é o Alcorão e o outro é minha descendencia." Ibn Hajar Asqalani relata esse evento de forma diferente, mas ambos estão provavelmente corretos. Ibn Hajar diz: “Enquanto ele estava doente e os discípulos rodeavam sua cama, ele disse: 'Gente! Chegou a minha morte, logo irei de entre vocês. Saibam que deixo para vocês o Livro de Deus e meus descendentes”. Então ele pegou a mão de Ali, ergueu-a e acrescentou: “Este é Ali, ele está com o Alcorão, e o Alcorão está com ele. Eles nunca serão separados (até o Dia do Julgamento) ”.
Apesar do fato de que em diferentes ocasiões, antes de sua doença, o Profeta havia comunicado o dito de Saqlain, ele o reiterou em seu leito de doente e na frente daqueles que se opuseram a ele, de modo a compensar a carta que o impediu de escrever.

DISTRIBUIÇÃO DE DINHEIRO
Era costume do Profeta (S.A.A.S.), no que diz respeito ao tesouro público (baitu-l-mal), distribuir o dinheiro entre os mais humildes. Ele não gostava de mantê-lo no tesouro público por muito tempo. Por isso, quando estava na cama, lembrou-se de que uma de suas esposas guardava algo de dinheiro perteneciente a tesoro publico. Ele pediu que fosse entregue imediatamente. Quando o segurou em suas mãos, ele disse: “O que Muhammad pode esperar de Deus se o encontrar com esse dinheiro em suas mãos?” Então ele ordenou ao comandante dos crentes que o distribuísse entre os pobres.

ÚLTIMA RECOMENDAÇÕES O PROFETA PARA OS CRENTES
Às vezes, durante o período de sua doença, o Profeta ia à mesquita, orava com sua comunidade e fazia alguns avisos. Em uma dessas ocasiões, enquanto ele tinha um pano amarrado na cabeça e Ali e Fadl ibn Abbas o seguravam pelos braços, ele arrastou os pés no chão e entrou na mesquita, sentou-se no púlpito e começou a falar: "Gentes! Chegou a hora de eu estar ausente. Se fiz uma promessa a alguém, saiba que estou disposto a cumpri-la, e se tenho um credor para me avise, que estou disposto a pagar minha dívida. "Naquele momento um homem se levantou e disse: "Há algum tempo você me prometeu que se eu me casasse, você me daria algum dinheiro." Em seguida, indicou a Fadl lhe desse a quantia correspondente. Então ele desceu do púlpito e foi para casa. Na sexta-feira, três dias antes de sua morte, ele voltou à mesquita e falou com seu povo. Entre suas palavras, ele disse: "Aquela pessoa que tem qualquer direito sobre mim de se levantar e expressar isso, já que o talião é mais fácil de suportar neste mundo do que no outro." Naquele momento, Sauadat Ibn Qais se levantou e disse: " Ao regressar da batalha de Taif, montado no seu camelo, ergueu o chicote para apressar o passo do animal e sem avisar bateu-me no abdómen." "Estou pronto agora para cumprir a lei da retaliação[1]", disse o Profeta.
O Profeta fizera esse pedido não por um compromisso moral, mas, porque realmente queria cumprir seu dever. Por isso, ordenou que lhe fosse entregue o chicote que tinha em casa e tirou a camisa para que Sauadat cumprisse a lei da retaliação.
Com o coração cheio de expectativa e tristeza, com os olhos cheios de lágrimas, os fiéis aguardaram o culminar do evento. Sauadat seria capaz de fazer cumprir a lei de retaliação? De repente, ele se aproximou do Profeta e começou a beijar seu peito e abdômen. Muhammad implorou por ele dizendo: "Meu Deus! Perdoe Sauadat como ele perdoa Seu Enviado."

 

[1] Obviamente, como o golpe não foi intencional, não foi necessário aplicar a lei da retaliação, seu dever era dar uma pequena quantia em dinheiro. No entanto, o Profeta queria que o desejo daquele homem fosse realizado.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.