A Interpretação do Alcorão Sura AL- Balad (A Cidade) II

22:00 - 2022/05/08

“Eu não juro por esta cidade”, porque você não foi respeitado nela e porque sua vida e seus bens foram violados. Esta é uma forte repreensão aos descrentes dos coraixitas, que acreditavam ser os servos e guardiões do santuário da Caaba e atribuíam tal pureza e respeito ao lugar que até o assassino de seus pais poderia estar seguro lá.

A Interpretação do Alcorão Sura AL- Balad (A Cidade) II

A Interpretação Exemplar do Alcorão Sagrado Surata No. 90;AL- Balad (A Cidade) II
Esta surata foi revelada em Meca e tem vinte versículos.
بِسْمِ اللَّهِ الرَّحْمَنِ الرَّحِيمِ

لَا أُقْسِمُ بِهَذَا الْبَلَدِ (1) وَأَنْتَ حِلٌّ بِهَذَا الْبَلَدِ (2) وَوَالِدٍ وَمَا وَلَدَ (3) لَقَدْ خَلَقْنَا الْإِنْسَانَ فِي كَبَدٍ (4) أَيَحْسَبُ أَنْ لَنْ يَقْدِرَ عَلَيْهِ أَحَدٌ (5) يَقُولُ أَهْلَكْتُ مَالًا لُبَدًا (6) أَيَحْسَبُ أَنْ لَمْ يَرَهُ أَحَدٌ (7) أَلَمْ نَجْعَلْ لَهُ عَيْنَيْنِ (8) وَلِسَانًا وَشَفَتَيْنِ (9) وَهَدَيْنَاهُ النَّجْدَيْنِ (10) فَلَا اقْتَحَمَ الْعَقَبَةَ (11) وَمَا أَدْرَاكَ مَا الْعَقَبَةُ (12) فَكُّ رَقَبَةٍ (13) أَوْ إِطْعَامٌ فِي يَوْمٍ ذِي مَسْغَبَةٍ (14) يَتِيمًا ذَا مَقْرَبَةٍ (15) أَوْ مِسْكِينًا ذَا مَتْرَبَةٍ (16) ثُمَّ كَانَ مِنَ الَّذِينَ آمَنُوا وَتَوَاصَوْا بِالصَّبْرِ وَتَوَاصَوْا بِالْمَرْحَمَةِ (17) أُولَئِكَ أَصْحَابُ الْمَيْمَنَةِ (18) وَالَّذِينَ كَفَرُوا بِآيَاتِنَا هُمْ أَصْحَابُ الْمَشْأَمَةِ (19) عَلَيْهِمْ نَارٌ مُؤْصَدَةٌ (20)

Em nome de Deus, o compassivo, o misericordioso
1. Eu juro por esta cidade (Meca)
2. Enquanto tu residires nesta cidade

3. Pelo pai e no que ele gerou (filho);
4. Por certo que criamos o homem em aflição.
 5. Você acha, talvez, que ninguém será capaz de superá-lo?
 6. Diz orgulhosamente: "Eu dei (em esmolas) somas fabulosas!"
7. Você acha que ninguém vê?
8. Não lhe dotamos de dois olhos?
 9. E uma língua e dois lábios
10. E indicamos os dois caminhos?
11. Mas nunca (o ingrato) começou a subir o morro.
12. E o que vai fazer você entender o que é a inclinação?
13. É alforriar um escravo,
14. Ou alimentar, em tempos de indigência,
15. Para o órfão próximo,
16. Ou os sem-teto em necessidade
17. É também fazer parte daqueles que crêem, daqueles que mutuamente recomendam paciência e misericórdia
18. Esses são os discípulos à direita (os abençoados).
19. Por outro lado, aqueles que não acreditam em nossos sinais são os discípulos da esquerda (os infelizes).
20. Que eles serão cercados pelo fogo do inferno.

Juramento da Cidade Santa
A tradição do Alcorão é que, na maioria dos casos, ele começa a cobrir grandes realidades por meio de juramentos, que por si só motivam a mobilização e meditação por parte da mente humana, juramentos que têm uma relação especial com o assunto.
No primeiro juramento ele diz:
1. Eu juro por esta cidade (meca) O versículo seguinte diz:
2. Enquanto você residir nesta cidade
Embora estes versículos não especifiquem o nome da cidade a que se refer  e se por um lado considerarmos que foram revelados em Meca e por outro,  a extraordinária importância desta cidade, chegamos à evidência de que se referem a Meca e neste ponto todos os intérpretes concordaram. Naturalmente, a nobreza e grandeza do território de Meca poderia ser o motivo deste juramento prestado, já que ali foi construído o primeiro centro monoteísta e os grandes profetas (a.s) o circundaram.

No entanto, a frase em questão tem um significado diferente, ou seja, quando diz: "Enquanto você residir nesta cidade", é por causa do ser abençoado do Profeta Muhammad (s.a.a.s), e  por isso a cidade se enche de majestade e merece ser objeto de juramento.

Esta é a pura realidade. O valor dos territórios deve-se ao valor dos seres humanos que os habitam. Isso foi para que os incrédulos de Meca não acreditassem que através desse juramento, Deus havia exaltado seu país, muito menos seus centros de idolatria. Verdadeiramente, o valor de Meca (independentemente de seu passado histórico) deve-se à existência honrosa e abençoada do servo especial de Deus, Muhammad Ibn 'Abdul lâh.

E a que se segue é outra hipótese: (A palavra "lâ" na gramática árabe cumpre várias funções. A versão seguinte considera este monossílabo em sua função de negação).

“Eu não juro por esta cidade”, porque você não foi respeitado nela e porque sua vida e seus bens foram violados. Esta é uma forte repreensão aos descrentes dos coraixitas, que acreditavam ser os servos e guardiões do santuário da Caaba e atribuíam tal pureza e respeito ao lugar que até o assassino de seus pais poderia estar seguro lá.

Diz-se mesmo que aqueles que arrancaram a casca das árvores de Meca e a colaram em seus corpos poderiam encontrar-se seguros onde quer que estivessem.

No entanto, todas essas tradições não foram aplicadas à pessoa do Profeta Muhammad (s.a.a.s), pois cometeram todo tipo de inconveniência e humilhação com ele e seus companheiros, mesmo considerando lícito seu assassinato.

Esta interpretação é atribuída à transmissão de um ditado do Imam As-Sâdeq (que a paz esteja com ele).

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
11 + 0 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.