O mundo do Islã e os direitos humanos II

22:37 - 2021/12/05

Os juristas e filósofos acreditam desde os tempos antigos que o homem, independentemente de religião, raça, posição social, riqueza e outros privilégios sociais, possui direitos que devem ser respeitados por todos, incluindo o governo e toda a nação.

 

Um dos objetivos da fundação das Nações Unidas era tentar proteger a dignidade e a honra humana, bem como reduzir as diferenças de classe, resultando na igualdade e na fraternidade das nações. O evento mais importante até hoje é a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esta declaração foi preparada pela Comissão de Direitos Humanos afiliada ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, apresentada à Assembleia Geral e ratificada na Cúpula de Paris em 1948. A declaração consiste em um preâmbulo e trinta artigos; infelizmente, apesar de seu valor histórico e político, a declaração em si não tem validade jurídica. Nem inclui sanções que beneficiem os homens, nem tem garantia executiva, se necessário, contra qualquer país. Portanto, esta declaração, como muitas outras declarações da Assembleia Geral, carece do valor jurídico necessário.

A declaração teve um efeito determinante não só nas funções políticas atuais dos países, mas também na formação dos diferentes sistemas políticos e sociais. Portanto, a declaração dos direitos humanos não pode ser considerada um exemplo das atividades das Nações Unidas ou de outras instituições que protegem os direitos humanos, e não deve, comprovando que não teve êxito, ser considerada nula e sem efeito e sem valor. É verdade que em muitos casos a atuação desses órgãos não foi frutífera, e os direitos humanos tornaram-se uma ferramenta nas mãos das superpotências e serviram de ideologia para suas ações de exploração hegemônica. No entanto, isso não significa que, sob tal pretexto, os conceitos tomados dos direitos humanos devam ser ignorados e abandonados.

Os direitos humanos são a manifestação da nova posição contemporânea que o homem conquistou para si mesmo. De acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos ratificados em 1948, os direitos humanos são o benefício comum para todas as pessoas e nações que deve ser respeitado por cada indivíduo e cada órgão da sociedade. Os direitos humanos são o reconhecimento e a prática da dignidade inerente a todos os membros da vasta família humana; são direitos inalienáveis ​​e iguais para todos os que estão na base da liberdade universal, da justiça e da paz. Mantendo este ponto de vista em nossas mentes e em relação ao fato de que esses conceitos se tornaram globais, nenhuma escola de pensamento ou partido deve permanecer em silêncio sobre este assunto importante.

Como um dos principais ramos do direito público, os direitos humanos e a liberdade pública estudam a relação jurídica entre os indivíduos e o poder político. Por um lado, existe o poder político que, gozando de soberania, deve reconhecer certos limites, como as fronteiras das liberdades das pessoas e dos seus direitos. Por outro lado, existem indivíduos ou organizações, partidos e sociedades políticas, aqueles que gozam de certos direitos relativos ao poder político. Como a soberania absoluta do governo é inaceitável, o alcance dessas liberdades e direitos também são limitados.

Plain text

  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <span> <blockquote> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <br> <hr> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <i> <b> <img> <del> <center> <p> <color> <dd> <style> <font> <u> <quote> <strike> <caption>
  • Endereços de páginas web e endereços de email são transformados automaticamente em ligações.
  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente.
Fill in the blank.